domingo, 1 de março de 2009

Há momentos em que uma pausa sabe bem!
Uma pausa do mundo, um pausa de mim, uma pausa de tudo!

Sentir que existe um espaço e um tempo fora daqui, fora deste mundo e de tudo que o compõe.
E se esse espaço existe quando o desejamos, é porque está sempre lá. Só percebemos que ele lá está quando chamamos por ele.
E é assim com tudo!
Quando desejamos algo, descobrimos que sempre esteve mesmo ali... onde nunca procuramos, pois achamos que não temos à nossa disposição.
Tudo o que desejamos já existe para nós e como temos uma formatação mental que não nos permite ver, sem crer, são poucos os que atingem sem esforço o que desejam!

A cada dia que passa acredito que a magia da vida é a simplicidade. Sempre desconfiei disso!
Sempre gostei de tudo bastante simples, fluido e calmo.
Para mim, a vida é maravilhosa e só faz sentido se for vivida entre sorrisos, alegria e amor.

Muitas vezes lutamos e sofremos interiormente, debatemo-nos com o que vemos no exterior e não gostamos do rumo da nossa vida, da vida dos outros e do mundo em geral.
Mas existem momentos, em que conseguimos abrir uma janela, e vemos que afinal não existe razão para tanto conflito interior, para tantos debates internos de certo e errado, e mais... que o medo que sentimos nem sequer faz sentido.
Existem estes momentos que me dizem que tudo está perfeito, que tudo é apenas como deveria ser.
Eu vejo o que eu quero, eu vejo o que eu sinto... eu vejo o que eu crio.

É óbvio que existem momentos em que esta janela está fechada e nem me lembro de a abrir... mas eu sei que ela está lá... e sei que a posso abrir em qualquer momento.
Eu sei que existe um caminho para casa, onde me reencontro comigo mesma e abraço o mundo como ele é.

Não me adianta reclamar, não me adianta debater e muito menos enfrentar-me a mim mesma numa luta constante com o que já existe!
Descobri, que o melhor que podemos fazer, é aceitar este momento. Quando o fazemos, o milagre da vida pode acontecer!
Só temos medo do mundo, porque damos um significado ao que vemos!
Quando dissolvemos esse significado... tudo se desvanece e ficamos nós!
Sim... tudo se pode desvanecer... mas quem SOMOS É, em todos os momentos, em todas as situações.

Sinto-me bem por saber isso! Mesmo se não abrir a janela do reencontro, sei que ela está lá... e de todas as vezes que a abro ela fica maior e maior. Sei que consigo passar por ela... e reencontrar-me com quem Sou... e nesses momentos momentos o mundo pára... o Amor transborda!

Uns dizem que é loucura... eu digo que é Amor e que é tudo o que existe!
Mas à minha parte que diz ser loucura, eu amo ainda mais, pois lembra-me ainda mais dos meus sonhos e de como é bom saboreá-los!

1 comentário:

Papu Morgado disse...

Oi querida,
Entendo-te perfeitamente. Em alguns momentos tudo parece encaixado, perfeito e o mundo lá fora dá uma pausa. As vezes volta a turbulência e nestas horas eu seguro minha mão e me ajudo a lembrar dos momentos de paz. E o mais interessante é que este processo todo é interno, e, assim sendo, passível de cura. A cura para mim está vindo da aceitação de quem eu sou hoje, o que significa muitas vezes aceitar que eu ainda sofro e aceitar que não me aceito, observar os embates internos, a dor. Quero passar desta etapa e reaprender a me amar, algo que ficou latente e pouco utilizado durante tanto tempo. Tem um livro que tenho lido bem aos pouquinhos chamado o poder do agora que é ótimo para auxiliar nesta caminhada. Obrigada por vc existir e eu ter com quem falar sobre isso, porque muito poucas pessoas compreendem ou estão vivenciando esta aventura conscientemente. Beijinhos