terça-feira, 7 de abril de 2009

Mudança na mente

Todas as nossas mudanças começam na nossa mente, tal como o pensamento de hoje o explica.
Às vezes, basta uma mudança de perspectiva para que tudo em nosso redor tenha permissão para mudar, para se alterar de forma a que possamos evoluir e caminhar mais facilmente.
Normalmente, as nossas perspectivas e ideias são muito limitadoras e prendem-nos a situações complicadas, difíceis e dolorosas, apenas porque teimamos em vê-la apenas pelo prisma do sofrimento.
Existem muitos prismas por onde podemos observar a realidade exterior e, quando começarmos a alterar a nossa mente, começamos a perceber que a luz que a realidade nos transmite, a luz que existe dentro da nossa realidade interior, pode ser reflectida no mundo exterior - na realidade exterior, de uma forma brilhante e perfeita.
Tudo o que existe à nossa volta são criações, pessoais e colectivas. São apenas criações.
É algo a que não estamos habituados e talvez demoremos algum tempo a digerir o que isso quer dizer. A mim ajudou-me imenso ver documentários sobre física quântica e metafísica, pois ajudou a minha parte lógica a perceber e compreender a realidade que observo e percepciono.
Claro que para mim ainda não é assim tão óbvio, em todas as situações, que a realidade é apenas energia e que tudo, absolutamente tudo é criado por nós.
No entanto, quando olho de um outro modo para a realidade, quando experimento algumas situações, tenho a plena consciência de que assim é.
Apenas a dúvida e o medo nos afastam da Paz Serena e tranquila deste conhecimento.

Compreender que Somos Um e tudo o que isso implica é algo GRANDE, ILIMITADO e que não pode mesmo ser explicado.
O filme "The Matrix", parecendo ser total ficção, tem pensamentos fabulosos e ensinamentos maravilhosos. Um filme para ver, rever e rever... de todas as vezes faz-se luz dentro de mim e compreendo mais profundamente o que vivemos.
O que estamos aqui a fazer?
Ainda é uma pergunta que me faço com frequência... mas a resposta ainda vem acompanhada de ego... e por isso escolho deixar-me ir, nas mãos do Universo que me guia no que É para mim.

Obrigada!

3 comentários:

Bhixma disse...

Por que razão afirmas que a resposta ainda vem acompanhada de ego? Quando alguém se pergunta realmente o que está a fazer neste mundo, já transcendeu esse plano... o que não significa que se torne, por isso, num zombie sem experiência de si. :) De certo modo, até intensifica, em sentido positivo, a experiência de si.

Angela Maria disse...

Sim... mas o ego ainda assim está presente muitas vezes.
O ego não desaparece de um dia para o outro... aliás, ele é preciso para nós estarmos por aqui! :)

Bhixma disse...

Oh sim, tens toda a razão. O ego tem uma força enorme que nós inconscientemente lhe damos e assim ficamos enclausurados. :((
Com efeito, se estivéssemos sempre a colocar a questão "o que fazemos realmente neste mundo?" cairíamos num poço como Tales (assim reza a história)... Mas é bom que esta questão esteja sempre presente no nosso espírito (de uma forma mais ou menos consciente conforme as situações).
Mas espero bem que continues sempre!!!!... Aqui ou ali (o espaço como o tempo pouco importa :))
Bhixma