sexta-feira, 24 de abril de 2009

Sentir-me bem....

Há momentos realmente em que me dá vontade de fugir e entrar noutra realidade, completamente diferente da que vejo e percepciono todos os dias.
E são estes momentos de resistência, onde o meu pensamento me leva a viver pesadelos mentais que me coloca numa posição inconfortável.
Quando finalmente consigo libertar a resistência, aceitar o que vejo e o que sinto, aceitar este momento presente com todas as possibilidades que tem para mim, nada me parece tão cinzento e as cores do arco-íris começam a manifestar-se com alegria.
É a compreensão de que tudo está em mim. Às vezes é assustador, revolto-me comigo mesma... mas sei que passa e quem está assustado e revoltado é um ego frágil que pensava ser forte, um ego pequenino que gostava de parecer grande.
Nós somos muito mais do que vemos e conseguimos muito mais do que pensamos ser possível.
Entrar em equilíbrio com quem somos, sem colocar barreiras ou resistências, pode abrir portas de conforto e bem-estar maravilhosas, que nem sequer ousamos pensar em momentos egóicos.

Sabe bem entrar em contacto com a parte de nós que tudo sabe e tudo compreende.
A parte de nós que nos mantém em segurança porque sabe que não existe ataque. A parte de nós que nos sustenta porque sabe que apenas a abundância é real. A parte do nós que ama tudo e todos porque não anseia pelo amor dos outros, sabe que é Amor.
Quando entramos neste espaço, onde não existe espaço e tempo, onde o momento presente é tão grande e arrebatador, tudo nos parece simples, amoroso e completamente perfeito.

Para mim, o mais importante é estar bem, é sentir-me bem comigo, e sentir-me bem comigo é viver em comunhão com todo o Universo em todos os momentos.
É saborear esta calma que existe e que é real, é reconhecer os pensamentos reais que existem na minha mente, é cumprir a minha função em todos os momentos, a função que o Universo tem para mim em cada momento... deixar-me ir com o meu coração.

2 comentários:

Cláudia Nóbrega disse...

...nem eu diria melhor! :)
A todo e qualquer momento nós somos livres de escolher como nos queremos sentir sem recorrer a algo exterior, é tudo uma questão de nível de consciência!
Beijocas

Angela Maria disse...

;) Obrigada Claudia.

Sim, a escolha é um direito e um dever nosso! =)

Beijinhos e um excelente fim de semana!